Pré-prova HISTÓRIA UFRGS 2014 / Brasil 5

ABREV 5 COLÔNIA

A colônia de SACRAMENTO (Uruguai) nasceu em 1680 porque acabou a União Ibérica em 1640. Por que os lusos demoraram 40 anos para fundar a cidade?  Porque nos 28 anos seguintes (1640 a 1668) Portugal e Espanha estiveram em guerra (Guerra de Restauração). A Espanha esteve em guerra com a Holanda por 80 anos (Guerra de Independência, de 1568 a 1668), envolveu-se na Guerra dos Trinta Anos (1618 a 1648) contra a França e os protestantes alemães, e com a Inglaterra de Cromwell (Guerra de Navegação). A riqueza da Espanha era imensa, mas as despesas ultrapassavam todas as receitas. Resultados das guerras espanholas: derrota em todas as frentes.

OURO BRASILEIRO – a primeira mina oficialmente descoberta (1693) chegou com 193 anos de atraso, na opinião dos portugueses. Em 1608 um aperitivo de ouro foi descoberto entre São Paulo e Paraná, mas esgotou-se em 4 anos. Foi o ouro de lavagem (aluvião).  Os metais brasileiros transformaram a atrasada e enfraquecida monarquia lusa em uma desperdiçadora de recursos, mas o açúcar, apesar da concorrência holandesa, manteve-se como fonte importante de riqueza. Até 1761 a arrecadação do quinto era de 100@ (1.500 kg de ouro). Depois de 1762, nunca mais a arrecadação atingiu 100@. Quando a família real chegou ao Brasil (1808), o quinto do ouro era de 30@, mas quando ela voltou, foram duas arrobas, bem pequeninhas. A Inglaterra acumulou ouro brasileiro devido ao Tratado de Methuen (1703).

Pré-prova HISTÓRIA UFRGS 2014 / Brasil 4

ABREV 4 COLÔNIA

Lembrança sobre MOVIMENTOS NATIVISTAS: a maior parte dos movimentos contestatórios coloniais não são estudados na escola. Estuda-se apenas alguns que foram selecionados há décadas e mesmo assim, estudos superficiais. Graças á simplificação citada, a única linha dedicada a cada movimento na ABREV MOVNAT costuma ser o suficiente para responder a questão.

De supetão, sem anestesia, você é capaz de citar onde (capitania, província ou Estado) ocorreu a BALAIADA? E em que época (Colônia, Primeiro Reinado, Regências, Segundo Reinado ou República Velha)? Responda sem consultar nada.

Pré-prova HISTÓRIA UFRGS 2014 / Brasil 2

ABREV 2 COLÔNIA

BRASIL COLÔNIA?

Vale a pena estudar?

A prova da UFRGS tem 25 questões. Em 2010 foram 5 questões de Brasil Colônia (20% da prova). Em 2011 e 2012 foram 4. Em 2013 foram 3. Há 20 anos atrás, a prova da UFRGS tinha 35 questões e Brasil Colônia caiu em 7 questões (20% da prova). De 1991 até 2013, Brasil Colônia teve de 3 até 7 questões, exceto em 3 anos (em 2007, 2008 e 2009  caíram só duas questões de Colônia por prova). Bom estudo.

Pré-prova HISTÓRIA UFRGS 2014 / Brasil 1

ABREV Colônia 1

Aproveite para conferir seus conhecimentos de história de BRASIL COLÔNIA. Serão 8 postagens, uma por dia, exceto hoje (30 de dezembro), que serão duas porque um problema técnico impediu a publicação prevista para 29 de dezembro.

Os internautas estão recebendo as ABREVs com a mesma redação que os alunos matriculados receberam, mas esclareço o seguinte: algumas linhas tem indicação de links como a da segunda linha. B 15 siginifica que mais informações estão disponíveis da página 15 do livro de História do Brasil. HP 16 significa que há mais informações no livro HISTÓRIA PARALELA, na página 16.

Datas: algumas ABREVS têm datas do lado esquerdo, em uma fonte menor. Duas datas significam começo e fim. Uma data significa só o começo. A ausência de datas pode ser explicada por diferentes datas citadas no corpo do texto da ABREV ou a data ser mais ampla.

EU ODIAVA HISTÓRIA E ACERTEI 84% DA PROVA

Eu odeio História

LUCIANE CIELUCK recebeu o folder do curso no dia do Vestibular e fez uma visita para conhecer o método. De cara identificou-se com um estudante aprovado em MEDICINA na FFFCMPA (hoje UFCSPA) em 2004, Marcos Bertozzi Goldoni, da cidade de ENCANTADO, interior do RS. O professor Pedro Lairihoy imprimira em letras garrafais, no boletim de desempenho de Marcos, a frase dita no dia matrícula no curso: EU ODEIO HISTÓRIA. Marcos disse que nunca mais queria ver a matéria. O professor negociou: eu vou te ajudar, mas é preciso que sigas seriamente (e cegamente) a minha orientação. E Marcos fez isso, estudou História para nunca mais ter de fazer isso. Nunca faltou a uma aula. Começou tendo um desempenho abaixo da média e tornou-se a maior nota do seu grupo e de todos os grupos. Acertou 25 das 30 questões (2004). Em Química, que era uma matéria que Marcos gostava e dominava, acertou 24, uma a menos do que História. A melhor nota da Luciane foi História (731) e antes do Dominó de História era, disparada, segundo ela mesma, a pior nota.

INFORMAÇÕES E MATRÍCULAS:

http://www.dominodehistoria.pro.br/extensivo_2014.asp

LUCIANE CIELUCK no Youtube:

http://youtu.be/fyRWms6HOwU

Mais histórias reais de alunos em:

http://www.dominodehistoria.pro.br/historia_alunos.asp

GUERRA DOS FARRAPOS (conclusão)

BIMP Ponche Verde Blog

GUERRA DOS FARRAPOS

O conflito começou em 20 de setembro de 1835 e foi uma revolta da elite, dos estancieiros que reclamavam contra a concorrência do charque platino. O charque era o alimento básico da escravaria que trabalhava na produção de café da região sudeste. Em 11 de setembro de 1836, o movimento gaúcho radicalizou-se e uma república (Rio-Grandense) foi proclamada. A guerra durou 10 anos e o Império pretendia intervir na região platina, para derrubar o governante argentino ROSAS, que fornecia apoio ao presidente uruguaio ORIBE, do partido Blanco. Era preciso pacificar o sul para entrar no Uruguai e Argentina e por isso foi assinada a Paz de Ponche Verde, na qual o Império anistiava os rebeldes, assumia as dívidas dos gaúchos, garantia a taxação do produto concorrente importado, confirmava a alforria dada aos negros recrutados no exército farrapo e incorporava as forças sulinas às do Império. Os Farrapos estavam divididos e Bento Gonçalves, eleito presidente da República Rio-Grandense, não teve envolvimento na negociação da paz, que ficou a cargo do grupo ligado a Davi Canabarro. Aos Farrapos foi permitido a eleição do governante local, mas isso foi rasgação de seda, pois foi escolhido o representante do Império, Caxias, que já administrava a província e lutara contra os Farrapos.

UFRGS – o assunto Guerra dos Farrapos é frequente: caiu em 1992 (questão 68), 1994 (65), 1995 (52), 1997 (48), 1998 (49), 1999 (41), 2003 (45), 2008 (12), 2011 (13), 2012 (11) e 2013 (10).

GADO PROIBIDO NO LITORAL

BCOL Gado proibido Blog

Em 1701 uma Carta Régia proibiu (na zona litorânea) a criação de fazendas de gado que não estivessem vinculadas diretamente aos engenhos de cana. As fazendas de gado para exploração de leite, carne e couro deveriam se fixar a 60 km do litoral. Qual o motivo da proibição? A concorrência do açúcar antilhano, financiado pelos holandeses que foram expulsos do Brasil algumas décadas antes (1654). Se o gado ficasse no litoral e a cana fosse para o interior, a economia colonial perderia a competição da produtividade graças aos custos do transporte para o litoral. O Piauí tem até hoje o menor litoral do país (57 km) justamente porque todos os seus rebanhos se deslocavam pelo interior, pelo sertão, corruptela de desertão, pois as fazendas de gado ocupavam muitas terras, mas com população rarefeita. A permanência dos holandeses por 24 anos (1630 a 1654) em terras pernambucanas foi tolerada enquanto as relações entre produtores brasileiros e invasores holandeses foram cordiais, especialmente na época de Maurício de Nassau (1637 a 1644), um mecenas que trouxe artistas e cientistas europeus, convidou brasileiros para  cargos públicos, emprestou dinheiro aos produtores e foi tolerante em termos religiosos. Nassau foi afastado pela Companhia das Índias Ocidentais, que cortou os créditos, cobrou as dívidas e acabou provocando a Insurreição Pernambucana (1645 a 1654) cujo desfecho foi a expulsão dos holandeses. Expulsos, fixaram seus investimentos nas antilhas.

AGENDA DE HISTÓRIA do DOMINÓ DE HISTÓRIA

Vargas cédula

AGENDA DE HISTÓRIA 

O folder de divulgação mostra o presidente GETÚLIO VARGAS reproduzido em traços impressionistas em uma aquarela da artista ANA LUIZA KOEHLER a partir de uma nota da moeda criada em 1942, o CRUZEIRO, que substituiu o mil-réis. A cédula foi escaneada junto com a aquarela. Cada mês do livro possui mais uma ilustração da artista Ana Koehler, ilustradora que desenvolve O BECO DO ROSÁRIO, um trabalho autoral sobre a modernização de Porto Alegre e a discriminação de raça e de gênero. O professor Pedro Lairihoy, autor da agenda, conheceu a artista no Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte, edição 2011. Quem quiser conferir o trabalho de Ana veja em http://becodorosario.wordpress.com/2013/12/23/teo-menino/

A AGENDA DE HISTÓRIA é um livro híbrido. O comprador terá algumas linhas para registrar seus compromissos, mas 70% das páginas diárias tem conteúdos de História. A História do Brasil foi dividida em 366 textos de 4 linhas cada (um para cada dia do ano, incluindo o 29 de fevereiro porque a agenda é permanente). A História Geral também foi dividida em 366 textos. E há 366 boxes que tratam de datas, podendo ter uma, duas, três ou até 4 datas. Foram selecionadas 610 datas ao todo. Um índice onomástico com 2.030 itens funciona como uma mistura de GPS e GOOGLE de pobre, ou seja, um recurso não digital que permite localizar os assuntos como se fossem verbetes de um dicionário. Os 732 textos (366 de Brasil e 366 de Geral) tem links entre si e com o box das datas. E a AGENDA ainda tem 160 ilustrações variadas do Dominó de História. Os conteúdos foram selecionados a partir de publicações sobre Atualidades, livros de referências, enciclopédias, fontes digitais e, principalmente do GUIA DE ESTUDOS do curso Dominó de História. Muitas pessoas pedem para comprar os 4 livros do Dominó de História, mas eles são exclusividade do alunos matriculados. A AGENDA DE HISTÓRIA, reproduz o que há de melhor do curso e estará disponível a qualquer interessado. O lançamento ocorrerá ante do início das aulas.

APROVAÇÃO na MEDICINA da UFRGS pelas ABREVs de História

Email Ebone

Na Imagem, o e-mail MAIS recebi Que legal na Minha Vida Profissional Como PROFESSOR . Uma Menina de Casca, Patrícia Ebone , cursou o Dominó de História Curso Pré-Vestibular los 2009 e superou a nota Opaco precisava los História (754) Para passar los Medicina (736) EM janeiro de 2010. Antes do Curso a nota estava hum Pouco Distante:. 598 Estudou em casa Há TODO o ANO DE 2010 E Entrou na Medicina da PUC nenhuma Verão de 2011 Cursou a PUC e los janeiro de 2012 aprovada FOI NA MEDICINA da UFRGS.. O e-mail retrata Este Momento ea Lembrança generosa e carinhosa da professora Patrícia com o Seu Velho de História. 

FÓRMULA DO SUCESSO : Seguir como Duas unicas DICAS Dadas e repetidas o Ano INTEIRO:

1) Ler como ABREVs de Todos os Dias . Como ABREVs (Abreviaturas) São hum Resumo de 52 Páginas Opaco Contém Toda a Matéria. OS 4 Livros do Curso MET 500 Páginas. Como ABREVs São hum abstract e costumam resolver QUALQUÉR Problema.

2) Fazer Provas e revisar apenas o Opaco errou . FOI ISSO Que fizemos los 2013. Corrigimos Approximate 70 Provas, da UFRGS (1991 a 2013), PUC (1999 a 2013), Passo Fundo, ENEM.

Leia o e-mail.